Reciclagem

por Orlando M. Ferreira

Não tem alguma coisa errada quando começam a queimar os livros? Ora, você diria, não fazem mais essas coisas.

Subindo a Augusta num dia qualquer à tarde, vi um sebo que conhecia de longa data. Agora predominavam CDs, DVDs e vinis, na entrada uma bacia de brochuras em oferta por três reais cada. Mas nas profundezas do lugar, meio escondida por um monte de tábuas, vi uma estante de livros antigos, a maioria edições sisudas com cara de anos 50.

Perguntei se eu podia olhar os livros. Ele disse que não, que os livros não estavam à venda. Saí sem agradecer a rudeza, mas da calçada olhei aquelas lombadas antigas lá no fundo do sebo e resolvi tentar de novo.

Não posso nem dar uma olhada?

Nós não trabalhamos mais com livros. E olha lá, nem dá pra alcançar onde eles estão.

Era verdade, os livros estavam em uma estante alta, depois da multidão de vinis e CDs rigorosamente catalogados.

Inacessíveis.

Mas por que vocês não vendem os livros?

Não trabalhamos mais com livros, disse ignorando as brochuras, só com CDs, DVDs e vinis. Não tem saída. Vai tudo pra reciclagem.

E completou a obra:

É só um monte de livros velhos.

Dei as costas e saí dali com um aperto no peito. A coisa me detonou. Procurei um lugar pra sentar, mas não tinha lugar, então recomecei a subir a Augusta e a feiúra daquilo tudo bateu fundo. As pessoas indo pra lá e pra cá, sem saber o que estava acontecendo, pareciam bonecos representando algum papel numa distopia absurda. O simbólico da coisa era forte demais. Precisava de um lugar pra tirar aquilo de dentro, mas não tinha lugar, então continuei subindo.

Então tentei racionalizar. Ok, é só um negócio. Ele vende CDs e vinis e esses livros velhos não tem saída. Afinal as editoras não queimam milhares de livros encalhados todo ano? Queimam ou reciclam? Ou tanto faz? E lembrei daqueles montes de óculos, sapatos e roupas que vemos nas fotos tiradas em campos de concentração onde pessoas eram recicladas. Os nazis aproveitavam tudo, o ouro dos dentes, o cabelo, as roupas, os sapatos e as jóias que as famílias desesperadas traziam. Pensei também nas fogueiras de livros que fizeram em comemoração à tomada do poder em 33, parte de um projeto de reciclagem da cultura alemã. Aqueles livros também não tinham saída. Porque o trabalho liberta, mas só se tiver saída, senão é o forno e a reciclagem. E isso foi me aturdindo a cachola até o próximo sebo, onde eu esperava encontrar a salvação enquanto se repetia na minha cabeça o mantra diabólico das palavras e a imagem de velhos e crianças sendo enfileirados para a morte.

Vai pra outra fila por favor. A fila de cá fica, a da lá vai pra reciclagem, diria o SS para um Lobato embolorado, junto a um Goethe meio trôpego amparado pela Enciclopédia Universal da Juventude. E depois deles seguiriam milhares de volumes anônimos. Reciclados.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Reciclagem

  1. Forte comparação dos livros que se reciclam e os judeus que se queimam. Me recordo de um professor da faculdade, com ares de poeta nos guiando pelas ruas do centro referir-se aos moradores de rua como “lixo humano que necessitam ser reciclados”, até hoje me choca recordar estas palavras. Mas eis que há “sentido”, ao menos para um pensamento nazista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s